Comic Con Experience 2018: A minha experiência

Enfim, o maior e melhor evento da cultura nerd da América Latina chegou: a Comic Com Experience, ou CCXP para os mais íntimos. Para mim, a edição de 2018 teve um sabor especial, pois além de todas as atrações, os encontros e reencontros, lancei o segundo volume de Passagem para a Escuridão, concluindo assim a minha duologia. Para um autor iniciante, terminar e publicar um projeto como esse é uma realização sem tamanho. Especialmente, quando o fazemos em uma editora como a Jambô, e ainda mais quando o livro em si perigou de não sair ainda esse ano.

Uma rápida explicação. “Passagem para a Escuridão – Livro 2” estava pronto desde 2016, mas fui convencido por pessoas mais entendidas do mercado editorial a adiar o seu lançamento para meados de 2017, ou seja, um ano após a publicação do primeiro. No início de 2017, fui convidado a integrar uma editora recém-criada, com um selo próprio para fantasia nacional. O único problema: o livro deveria ser lançado apenas na CCXP 2018, por conta da agenda da editora. Apesar da minha ansiedade e do apelo dos leitores, aceitei.

Tudo ia bem até que o editor me veio com a surpresa de que talvez eles não fossem mais a CCXP ou mesmo publicar meu livro. Isso faltando uns dois meses para o evento. Já sem esperança, entrei em contato com minha amiga do coração, Karen Soarele, que me abriu as portas para a editora Jambô. Para resumir uma história cheia de reviravoltas e muita emoção, ela e o Guilherme dei Svalde fizeram um trabalho incrível em tempo record, e graças aos dois consegui lançar a duologia na CCXP, agora com o selinho do elefante nas capas. Para alguém que cresceu lendo a Dragão Brasil, algo do gênero não tem preço!

Andanças pela CCXP

Andanças pela CCXP

Vendas!!

Para quem não sabe, publiquei uma série de artigos sobre como se portar em eventos literários de modo a aumentar as suas chances de sucesso. Se alguém ainda estava em dúvida sobre a eficácia das dicas, posso dizer que estou bastante satisfeito com os resultados. Foram mais de 100 livros vendidos, levando em conta que estava disputando espaço com feras como a própria Karen Soarele e o campeão de vendas, Leonel Caldela, com o seu lançamento de mais de 700 páginas que esgotou no evento. Ver a torre de “A Flecha de Fogo” descendo mais e mais foi muito divertido. Uma torre que, por sinal, ajudei a erguer.

Em 2017 também estive na CCXP junto do pessoal da Jambô, mas cheguei tarde demais para ajudá-los a arrumar o estande. Dessa vez foi diferente e, por várias vezes, rodeado por caixas e mais caixas de livros, tive a certeza que não terminaríamos a tempo para a Spoiler Night. O próprio galpão fervilhava com operários trabalhando para montar os estandes das outras atrações. Centenas de pessoas responsáveis pela magia acontecer. E assim, às 18:00 do dia 5 de dezembro de 2018, a CCXP foi aberta ao público. Ainda não era aquele famoso arrastão de nerds que fazem em coro a contagem regressiva se espremendo na entrada, mas eram os primeiros clientes a serem conquistados. E para a minha surpresa alguns já vieram direto atrás do meu livro 2, pois já tinham lido o anterior e queriam saber como a história de Lúcio Dante terminaria. Esse sem dúvida é o sonho de todo o escritor. E estava acontecendo!

Eduardo Matias, um dos maiores apoiadores da literatura nacional

Cosplay

Uma das facetas mais divertidas e contagiantes da CCXP é o cosplay levado ao estado da arte. Podemos esbarrar nos mais variados personagens pelos corredores do evento, desde o famoso Mário da Nintendo até o protagonista de algum mangá pouco conhecido. Harry Potter, Capitão América, Zelda, Naruto e muito mais.

Claro que eu não podia ficar de fora dessa festa e tratei de arranjar uma fantasia também. Mas não podia ser qualquer fantasia. A CCXP é sinônimo de diversão, mas para autores como eu, ela também é uma das melhores vitrines para mostrar o seu trabalho. Meu cosplay deveria me ajudar com as vendas e quem melhor do que o príncipe Lúcio Dante, que figura nas duas capas de meus livros, para realizar essa importante tarefa. Essa por sinal é uma das dicas que cito na série sobre eventos literários. E a quantidade de autores que se valem desse recurso apenas mostra que essa é uma tendência. Então, da próxima vez que for expor em alguma feira literária ou algo do gênero, vista-se à caráter. Aposto que não irá se arrepender.

Gwen (Karen Soarele) e Christian (Guilherme dei Svaldi), ambos do livro Joia da Alma

Kadoo, meu amigo e cosmaker, responsável pelo meu Lúcio Dante

Clecius Duran, lobisomem e autor do livro Crônicas da Lua Cheia

Autor(a): Danilo Sarcinelli

Compartilhe: