Papo de Autor Entrevista Francine Cândido

Fale um pouco sobre você. De onde é? Qual é a sua formação? Qual gênero escreve?

Meu nome é Francine e sou de Joaçaba, Santa Catarina. Publiquei “A Máscara do Rei” em 2016 pela editora Arwen, “A Dama dos Loucos” na Amazon e “Encontro na Cafeteria dos Pães de Queijo” no Wattpad. Participei também de outras antologias ao longo dos anos. Gosto de me aventurar pelos mais diversos gêneros e tento não me apegar apenas a um, mas se fosse definir qual trabalho com mais frequência seria drama.

Como você desenvolveu o amor pela literatura?

Quando eu era adolescente passei por uma fase difícil em que me via como um defeito, alguém rejeitado e foram os livros que me mostraram um mundo novo, onde conseguia estar em outras vidas e entender coisas que ainda eram difíceis. A literatura foi e é até hoje o meu melhor amigo.

 

Quando decidiu se dedicar à escrita? Quais fatores contribuíram ou dificultaram sua estreia literária?

Quando escolhi ser escritora eu imaginava um mundo completamente diferente do que vejo hoje. Sonhava com um resultado rápido e que as pessoas encontrariam no meu trabalho algo único, e foi essa imaturidade a minha maior dificuldade, pois demorei para perceber que a escrita é uma profissão como qualquer outra, que precisa de dedicação e muito estudo, que não deve ser levada como algo simples ou fácil. Ao descobrir esse novo lado, pude rever tudo o que acreditava, então se eu fosse escolher o que contribuiu e dificultou para o ponto de partida da minha carreira profissional com a escrita seria exatamente a imaturidade.

 

 

 

Além de escritor, você tem outra ocupação? Como você diria que essa ocupação contribui para o enriquecimento da sua carreira como escritor?

Atualmente, após uma mudança de cidade, eu estou me dedicando apenas a escrita e minha filha, mas em todos os empregos anteriores me envolvi com o atendimento a pessoas, o que auxiliou no desenvolvimento psicológico de todos os meus personagens, tornando-os redondos.

De onde surgiu a ideia para seu livro mais recente? Sobre o que ele fala?

Ano passado publiquei na Amazon o meu primeiro suspense psicológico intitulado A Dama dos Loucos com 550 páginas, não foi a minha estreia na plataforma, mas considero dessa forma já que se trata de algo mais profissional e bem desenvolvido. Eu sempre imaginei como seria se uma detetive considerada instável psicologicamente fosse a única solução para um caso e que ao contar sobre isso para uma jornalista, no que a mulher acreditaria. É daí que surgiu o enredo atual de A Dama dos Loucos, onde Elisa é levada pela chegada de uma carta ao sanatório pertencente, de certa forma, a Dama dos Loucos. Uma mulher disposta a contar uma história cheia de assassinatos e fazer com que Elisa entenda sua conexão e completo fascínio com algo que, por mais macabro que fique, ela não consegue largar.

 

De onde surgiu a ideia para o seu conto enviado para a antologia do Diário de Escrita?

Gosto muito de enredos macabros e que envolvam cenários e situações que deixam o leitor apavorado. É pensando nisso que imaginei uma freira psicopata, cujo desejo é alcançar a santidade, mas como ela faria isso? Bom, nada melhor do que a carne mais pura do mundo.

 

 

 

Para encerrar, onde encontramos você e o seu trabalho na internet?

 

Tenho o meu perfil no facebook: https://www.facebook.com/francine.siqueira.1

E, minha conta no Instagram: francine_m_candido

Meu livro na Amazon: https://amzn.to/2rDStLK

Autor(a): Waldir L. Santos

Sou engenheiro eletricista, mas meu viés técnico acaba depois das 8 horas diárias de trabalho. Aficionado por terror, participei de algumas antologias com contos nesse perfil e fui finalista do Curtos & Fantásticos. Atualmente, estou na fase final da edição do meu Livro "Flor de Sangue" e com o projeto "Terrores cotidianos" que conta - em micro contos - nossos medos diários, de uma maneira aterrorizante.

Compartilhe: